sexta-feira, 28 de abril de 2017

[Resenha #42] Herdeiro da Escuridão

Título original: Blood Men  

Autor: Paul Cleave

Tradução: Mariana Junqueira Vargas

Editora: Fundamento

Ano de publicação: 2011

Edição:

336 páginas

Adicione em sua estante: Skoob 

Valor: Amazon - Walmart

Avaliação:






"Eu tinha 8 anos de idade na primeira vez em que tive o ímpeto de matar um animal. Tinha 9 quando finalmente o fiz."    (pág. 51)

Lançado em 2011, e parado na minha estante desde então, Herdeiro da Escuridão é o tipo de livro que merecia uma adaptação cinematográfica. Com um personagem central complexo, Paul Cleave guia o leitor por uma história única, livre de clichês e com questionamentos interessantes sobre herança genética e comportamento humano.

Edward Hunter é um homem de família, com esposa e filha lindas, um emprego promissor e um futuro brilhante pela frente. Mas ele tem um passado obscuro, que não esconde das pessoas, mas que gostaria de deixar para trás: é filho de um serial killer preso há vinte anos. Graças ao pai, além de perder a mãe e a irmã, ele passou a ser visto com desconfiança por quase todos aqueles que o cercam.
 
Faltando apenas uma semana para o Natal, Edward vê seu mundo desabar e sua estabilidade emocional desaparecer por completo ao presenciar a morte da esposa durante um assalto a banco. E para piorar seu sofrimento, a polícia não parece estar fazendo o possível para identificar e prender os responsáveis.
 
Com a demora da polícia para encontrar os bandidos, Hunter decide ele mesmo ir atrás de informações e punir os criminosos. Ele não calará mais o “monstro” que habita sua mente e partirá em busca de vingança. E, para isso, contará com a ajuda de um homem que não vê há duas décadas: seu pai.

"Poderia ser um assassino agora. Se o monstro tivesse assumido o controle, eu seria mesmo. A pergunta é: por quanto tempo posso mantê-lo sossegado? Não, espere, a verdadeira pergunta é: eu o quero sossegado?"     (pág. 126)

Edward Hunter é um personagem que provoca sentimentos controversos no leitor. Ora se torce por ele, ora se fica com raiva por determinadas linhas de pensamentos que segue e atitudes que toma. Quando sua esposa é assassinada, sua dor e incredulidade, bem como a culpa, são quase palpáveis. Porém, quando deveria se voltar para a filha e sogros a fim de superarem juntos a perda, Edward se ocupa em achar os culpados para tentar puni-los, deixando de lado a pequena Sam e por vezes expondo-a a riscos.
 
A narrativa de Cleave é fluída e em nenhum momento deixa o leitor sem vontade de prosseguir com a leitura. Além disso, o enredo é muito envolvente, com um acontecimento logo após o outro, sendo a maioria deles imprevisíveis.

"Isso é o que um assassinato significa nos dias de hoje: só um tipo de coisa que acontece."   (pág. 71)

Para finalizar, ressalto meu desejo de assistir a uma adaptação de Herdeiro da Escuridão, e também  o meu arrependimento por ter deixado a obra durante tanto tempo na fila de espera para leitura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário